Malahide Castle

Castelo de Malahide é um castelo localizado em Malahide, um vilarejo irlandês próximo à Dublin. O castelo está situado em um parque regional.

A propriedade teve início em 1185, quando Richard Talbot, um cavaleiro que acompanhou Henrique II à Irlanda em 1174, foi beneficiado com as “terras e porto de Malahide”. As partes mais velhas do castelo datam do século XII, quando serviu de residência à família Talbot por 791 anos, de 1185 até 1976, sendo a única exceção o período de 1649-1660, quando Oliver Cromwell agraciou Miles Corbet após a conquista Cromweliana da Irlanda. O edifício foi notavelmente ampliado durante o reino de Eduardo IV, e as torres foram adicionadas em 1765. Atualmente é aberto para visitação e pode ser acessado pela Malahide Road.

Malahide Castle

Malahide Castle

Mesmo com a neve, temperatura beirando a 0º, hoje cedo, eu, Rick e mais alguns brasileiros que conhecemos no grupo de Dublin no facebook fomos conhecer esse castelo. A viagem pode ser feita de DART (o trem da Irlanda) ou de ônibus pela linha 42 do Dublin Bus. De trem, método que utilizamos, leva em torno de meia hora do centro de Dublin até o vilarejo. O valor de ida e volta do trem sai por €5,20

Igreja e cemitério próximo ao Malahide Castle

Igreja e cemitério próximo ao Malahide Castle

Da estação de Malahide, é só ir até a Malahide Road e seguir as placas em direção ao castelo. Como a Irlanda não possui família real, o castelo pode ser um pouco decepcionante, mais parecido com um Chateau, mas eu achei super charmoso. A propriedade em que ele está possui vastos gramados, os escombros de um antigo cemitério e Igreja. No geral, o parque é usado, pelo que pude perceber, para atividades poliesportivas e lúdicas, mas que o lugar respira história, isso ninguém pode negar.

Brasileiros em Malahide. Curtindo o "friozinho" de 1ºC

Brasileiros em Malahide. Curtindo o “friozinho” de 1ºC

Depois de visitar o castelo, aproveitamos para ir atrás da praia de Malahide. Eu e os outros queríamos ver de perto uma praia europeia. Embora Malahide esteja situada em uma baía banhada pelo mar da Irlanda, já seria um começo, né? Andamos conforme nos foi dito, mas depois de um tempo caminhando, descobrimos que estávamos no caminho errado e que a praia na verdade estava perto de onde começamos a caminhada! Barreiras do idioma, alguns vão dizer. O que eu sei é que foi engraçado, ainda mais porque a frase que ecoou foi “independente do lado, estamos em uma ilha, uma hora veremos o mar”.

Antes de chegar na praia, tivemos a chance de tirar essas fotos:

No meio do caminho, outro cemitério!

No meio do caminho, outro cemitério!

Nas lápides, ao invés de buquês, vimos várias guirlandas...

Nas lápides, ao invés de buquês, vimos várias guirlandas, que simbolizam o triunfo da vida sobre a morte

Dizem que o segredo é projetar seu desejo como se ele já tivesse sido realizado. Por que não tentar?

Dizem que o segredo é projetar seu desejo como se ele já tivesse sido realizado. Por que não tentar?

Depois, no meio de tanta neve e frio, conseguimos achar a praia, que não era bem uma praia, mas que dava pra sentir aquele cheiro característico de litoral. Pisamos na areia, colocamos a mão na água (que estava super gelada!), sentimos o vento (que ali parecia mais forte). Só não entramos na água mesmo para um mergulho porque placas sinalizavam que a correnteza era forte demais (brincadeira!)

Malahide Beach: cadê o pessoal vendendo cerveja, água de coco, camarão, cachorro quente, a mãe...?

Malahide Beach: cadê o pessoal vendendo cerveja, água de coco, camarão, cachorro quente, a mãe…?

No fim, o passeio valeu muito a pena. Conhecemos pessoas fantásticas, alegres, rimos a manhã inteira e riscamos mais um destino irlandês da lista! Quem sabe no verão não damos mais uma volta por lá? Malahide é um ótimo passeio para quem tem um dia a mais em Dublin em seu roteiro, pois pode ser feito em meio dia e por um custo super reduzido. Recomendo!

Malahide Beach

Malahide Beach

 

Anúncios

Dublin, cheguei!

No dia 11 de fevereiro, as 21h10 embarquei de Zurich em direção a Dublin. O voo levou 1h55, tempo que eu tive para pensar em como seriam as coisas por aqui. Elas começaram bem, afinal, meu senhorio se dispôs a me buscar no aeroporto. Um gasto a menos, além da chance zero de se perder até chegar em casa.

Se em Zurich no dia estava nevando, em Dublin estava chovendo. Como era tarde da noite, não consegui ver muita coisa e viemos direto para casa. Conversei com o Rick um pouco, usei o computador, tomei banho e dormi.

No outro dia, pude ter a primeira visão da cidade, pela janela do meu quarto:

O tempo não estava muito bom, mas a vista era linda!

O tempo não estava muito bom, mas a vista era linda!

Eu moro em Dublin 15, que é como um distrito, mas depois explicarei melhor as divisões da cidade. Fica a 40 minutos do centro e diferente de lá, o bairro é calmo, cheio dessas casinhas, o subúrbio propriamente dito. Aqui temos a facilidade de ser como uma cidade própria, pois dispomos de um shopping center (o maior de Dublin), supermercado, cinema, parques, enfim, tudo que precisamos, evitando as idas ao centro.

Nesse dia aproveitei para conhecer o supermercado próximo de casa e descobri que meu cartão não era aceito pois não possui chip (obrigado Banco do Brasil!), mas depois fiquei sabendo que há supermercados dentro do shopping, com maior variedade e preços menores. Embora, um pouco mais longe, a qualidade e o preço compensam!

Na quarta, após sair da sessão de cinema, onde assistimos Warm Bodies, eu pensei que provavelmente essa seja a vida que pedi para mim. Pela primeira vez estou totalmente independente, pagando aluguel e afins, morando em uma cidade fantástica que me dá uma ótima qualidade de vida.

No outro dia, aproveitei para tirar algumas fotos da casa.

My sweet home in Dublin

My sweet home in Dublin

Quarto

Quarto

Sala de Jantar

Sala de Jantar

Quintal

Quintal

Sala de TV

Sala de TV

Cozinha

Cozinha

Se vou ficar por aqui? Não sei. O futuro é incerto e é isso que faz dele essa coisa tão deliciosa. Por enquanto, vou aproveitando o meu presente que começa a fazer valer o nome que leva!

 

 

Como é voar na AerLingus

aer_lingus_logo_3038

A companhia aérea Aer Lingus foi fundada pelo governo irlandês em 1936 para promover serviços aéreos entre a Irlanda e o Reino Unido. O nome da empresa é derivado do irlandês “long” que significa “barco”, depois traduzido como “Frota Aérea”. A companhia celebrou 75 anos em maio de 2011 e hoje transporta mais de 10 milhões de passageiros por ano para mais de 70 destinos incluindo Irlanda, Reino Unido, Europa e Estados Unidos.

A companhia fez grandes contribuições para a vida dos irlandeses, conectando a Irlanda com o mundo e promovendo oportunidades ao povo de acessar novos horizontes, tanto comercial, como turisticamente. Durante a recessão, a companhia manteve suas rotas internacionais e deu aos irlandeses a chance de continuarem conectados ao resto do mundo, bem como aos irlandeses que viviam no exterior de ter fácil acesso ao seu país. Eu utilizei os serviços da AerLingus entre as cidades de Zurich e Dublin.

5424295429_e1da5e1034

El 349  – Zurich – Dublin 21:10

Compra

O site é super didático e possui uma versão em português. Ao escolher o trecho e a data e seguir para a próxima página, tome cuidado, pois haverá vários tipos de tarifa e cada uma possui regras diferentes, indo desde passageiros sem bagagem (low), passageiros com uma bagagem de 20kg (plus) e passageiros com duas bagagens de 20kg (flex). Escolha a tarifa que tenha mais a ver com a sua situação para não ter dor de cabeça no aeroporto depois. O pagamento foi feito pela opção de cartão de crédito (sempre à vista).

Regras de cada tarifa

Regras de cada tarifa

Check-in

O check-in no aeroporto de Zurich estava tranquilo, mas um pouco confuso. Como estava em uma cidade próxima, fiz o check-in online, peguei o trem mais cedo com conexão direta ao aeroporto, mas ao chegar lá, tive que entrar na fila com as pessoas que não haviam feito o check-in ainda porque não havia a fila para despacho de bagagem. Mas em 10 minutos, eu já estava liberado.

Atenção: Se sua passagem dá direito a uma mala de 20kg, não tente passar com uma de 23kg, pois eles vão barrar e fazer pagar o excesso. Eu não sei o valor no aeroporto, mas para comprar 3kg adicionais com desconto pelo site na hora da compra da passagem, custava €50. Por isso, fique esperto. Para voos maiores, eles utilizam a política de 10kg de bagagem de mão.

Decolagem

O voo estava um pouco atrasado devido a uma nevasca que caía sobre Zurich. Entretanto, embarcamos no horário correto e só tivemos que esperar que jogassem um produto especial sobre o avião para tirar as camadas de gelo. Com 10 minutos de atraso, decolamos de forma tão suave que quase não foi possível sentir o avião deixar o solo. O tempo de viagem entre Zurich e Dublin é de 1h55.

Equipamento e Assentos

O equipamento utilizado na rota ZRH-DUB nesse dia foi um Airbus A320, com configuração 3-3. O avião é igual o utilizado pela TAM no Brasil. Estava muito bem conservado e o apoio para cabeça tem uma regulagem mais firme. Quando você dorme e apoia a cabeça o mesmo fica firme e não se move como em outros tipos de regulagem.

Entretenimento

Havia a bordo revistas, catálogo de free shop e menu de bordo. O entretenimento é escasso, mas para o tempo de voo estava ok, ainda mais porque a companhia opera pelo sistema low-cost.

Serviço de bordo

Os comissários desse voo eram em sua maioria jovens e simpáticos. Eu contei 4 deles durante o voo. O serviço de bordo é à parte do valor da passagem, mas pode ser adquirido também no ato da compra da mesma. O menu fica disponível para todos e os preços são competitivos por refeições que valem a pena. A lata de coca-cola pequena, por exemplo, custa €1.

Menu AerLingus

Menu AerLingus

É uma boa pedida para quem quiser, por exemplo, experimentar o café da manhã tipicamente irlandês. Como eu já havia comido no aeroporto de Zurich, acabei não experimentando nada a bordo. O pagamento pode ser feito no cartão ou em moeda papel.

Irish Breakfast

Irish Breakfast

Pouso em Dublin

O pouso foi tranquilo, com apenas 10 minutos de atraso. A imigração estava tranquila e logo eu estava indo em direção a minha nova casa.

Avaliação Final

Aer Lingus é uma empresa rica em história. O trevo agora mundialmente famoso que adorna a empenagem da frota da empresa é um dos símbolos mais emblemáticos da Irlanda ao redor do globo. A companhia aérea tem uma reputação mundial de carinho, simpatia e uma qualidade superior de serviço. A empresa fica entre as low-cost da Europa por seus valores competitivos, mas a qualidade não deixa nada a desejar em comparação as companhias convencionais.

Aprovei os serviços e com certeza voaria de novo.

Valentine’s Day

No Brasil, comemoramos o dia dos namorados no dia 12 de junho, mas em grande parte do mundo (como EUA, Itália, Canadá e Irlanda), a data escolhida é 14 de fevereiro, dia de São Valentim (São Valentino, para alguns, ou o Valentine’s day em inglês), um santo devotado à ideia do amor.

Na verdade, há duas lendas para o dia de São Valentim.

A primeira conta a história de um padre, santo e mártir, que viveu no tempo do Império Romano, no ano de 269, durante a perseguição aos cristãos. Segundo a lenda, o Imperador Cláudius II estava mais interessado em seu exército e nas guerras do que na vida em família , e estava convencido de que os solteiros, sem esposas nem filhos, eram melhores soldados do que os casados por não terem medo no campo de batalha. Tanto era verdade, que o Imperador acabou por ditar uma lei proibindo o casamento. São Valentim, contudo, desafiou o imperador e continuou a celebrar matrimônios em segredo, até ser descoberto, preso e executado.

Altar Carmelite's Church - Dublin

Altar Carmelite’s Church – Dublin

A segunda história é sobre São Valentim que também viveu sob o Império Romano. Ele levava uma vida simples e era especialmente bondoso com as criancinhas. Um dia, Valentim foi jogado na prisão por ter se recusado a adorar os deuses romanos. Dizia-se que as crianças escreviam mensagens de amor para ele e as lançavam pela janela da cela. Estes foram os primeiros cartões do “dia dos namorados”. Mas não existe nenhum registro histórico sobre isso. Os cartões que conhecemos hoje foram feitos pela primeira vez por volta de 1800 e alguns eram bem enfeitados e decorados com pássaros e flores.

St Valentine

St Valentine

Como hoje era dia dos namorados por aqui, descobrimos através da revista do voo para Dublin que os restos mortais de São Valentim se encontram em uma igreja no centro de Dublin e que seriam celebradas várias missas em homenagem à ele.  E estando aqui, como não ir até lá no dia de hoje e fazer um pedido mais que especial para São Valentim?

Carmelite's ChurchWhitefriar Street, Dublin

Carmelite’s Church
Whitefriar Street, Dublin

Hoje à tarde, fomos até a Carmelite’s Church ver de perto o santo e pedir a sua proteção. A igreja estava bem movimentada, com várias velas acesas para São Valentim e aos seus pés no altar, vários pedidos escritos à mão. Não podia deixar de escrever o meu, né?

DSCN0749

“São Valentim, nesse novo capítulo da minha vida, eu quero ser capaz de achar o amor em todas as suas formas e dar amor em retorno. Amor é a chave para o respeito e para colocar o mundo em paz. Deus nos abençoe!”
– Tradução livre do pedido deixado aos pés de São Valentim

Depois, rezei para o Santo e fui embora acreditando que dias melhores virão. Afinal, dmbora hoje seja o dia dos namorados, todo dia é dia de dizer “Eu te amo” a alguém, não é?

Restos mortais de São Valentim

Restos mortais de São Valentim