744 horas

1 mês. 31 dias. 744 horas. Parece que foi ontem eu eu saí do consulado naquele 11 de outubro com meu passaporte europeu em mãos. Parece que foi ontem que enfrentei 12 horas de estrada para correr atrás de algo que eu sempre quis.

Meu intercâmbio na África do Sul foi muito mais corrido: em 1 mês, resolvi tudo, paguei e fui. Sem remorsos ou preocupações. Não deu tempo de pensar  a respeito. A realidade não estava batendo a porta, já estava tomando chá na minha sala de estar. Mas aquela foi uma viagem diferente. Eu tinha data para voltar.

relogio quebrado

Agora não. A preparação vem devagar, sentindo cada etapa desde fevereiro de 2011 quando dei entrada nos papéis da cidadania, reconhecendo o casamento e óbito do meu avô português. Depois veio o processo do meu pai, o meu, a compra da passagem, os documentos brasileiros, a espera interminável. Mas agora ela está quase no fim. E mesmo que no período que dei entrada no processo eu ainda não soubesse quando ia acontecer, eu tinha certeza que em algum momento, iria.

E assim como dezembro voou, janeiro também vai deixar no ar aquele sentimento de que não houve tempo suficiente para todos os abraços, beijos, conversas, cafés que deveriam ter havido.

Às vezes acordo no meio da noite me achando louco e querendo desistir de tudo. Aqui é o que conheço. Aqui é onde estão meus amigos e minha família, minhas raízes. Mas a adrenalina de tentar o novo, de abrir essa porta que pode me levar ao local onde eu realmente pertenço, meu terroir, torna tudo mais gostoso. Como o Rick disse, é um sentimento agridoce.

SWISS-lucerne-nightEDITjpg

Do mesmo modo que a ansiedade bate e me acorda às vezes no meio da noite, quando estou acordado, ao pensar na viagem, sinto como se fosse um sonho. A realidade ainda não bateu na minha cara e a ficha ainda não caiu. Acho que só vou acreditar que realmente está acontecendo quando chegar naquela pequena cidadezinha suíça, cheia de neve e dizer: aqui estou.

Aqui, começa minha jornada.

Anúncios

24 verões

Este post está um pouco atrasado, visto que meus 24 verões de completaram no dia 27 de dezembro, mas com a correria do trabalho, festas de final de ano, eu mereço um desconto né?

Já falei no post anterior que o meu almoço no dia 27 foi fantástico, em meio a uma degustação digna de rei no novo cardápio do Alameda Quality Center. Mas não parou por aí: a comemoração do meu aniversário teve continuação à noite, junto à amigos que fizeram o dia ser mais do que especial.

01

Combinamos de nos encontrar na casa do Rafael para comer um yakossiba. Eu esperava um jantar simples, com amigos, regado a muitas risadas e diversão. Com certeza, superou minhas expectativas: jogamos imagem e ação, rimos muito e para minha surpresa, houve até um bolo de kit kat! How amazing was that?!

12

Fazer aniversário vai além de ficar mais velho. É momento de reflexão, de balancear o que passou, aprender com os erros e exaltar os acertos. É o nosso ano novo particular, onde as verdadeiras resoluções são feitas. Mas, além de tudo isso, é momento de descobrir as pessoas que nos amam e eu posso dizer com toda a certeza que tenho OS MELHORES AMIGOS DO MUNDO!

07