Cidade do Cabo – O Programa

Eu quase não tenho palavras para descrever a experiência de morar dois meses fora do país, em um local de cultura completamente diferente da minha, tendo que aprender a lidar com meu dinheiro, minhas coisas, conquistando minha independência.

P1050559 DSC00123

A galera em Cape Town

Viajar sozinho para um país desconhecido nunca é fácil. Dá medo. Dá vontade de desistir. Mas a empolgação e a adrenalina de viver algo assim acaba ganhando e você vai, sem saber bem ao certo o que vai encontrar.

100_4772

Minha família hospedeira muçulmana

Posso dizer que no meu caso, vivi dois meses de êxtase, conheci pessoas que hoje considero da família e não trocaria essa experiência por nada. E, como já disse anteriormente, mesmo que surjam novas viagens nesse estilo, nunca serão iguais. Nem pior, nem melhor, apenas diferentes. Que saudade da África!

100_4767 DSC00026a

De desconhecidos à irmãos

Cidade do Cabo – A Ida!

Decidi ir até São Paulo de avião para economizar horas de viagem. Me despedi dos meus pais no aeroporto de Bauru e embarquei em um voo da Pantanal (já com uma hora de atraso) as 16h30. O voo até São Paulo era estimado em 40 minutos, com destino a Congonhas e de lá, eu pegaria um transfer até Guarulhos. Tudo lindo e tranquilo, já que meu voo para Johannesburgo só saía as 23h.

Congonhas, durante nosso voo, fechou devido ao mau tempo. O voo estimado em 40 minutos durou 1h30 e a cada vez que o ATR-72 da Pantanal tentava se aproximar de São Paulo, o avião todo batia e eu só conseguia pensar: “não acredito que morrerei aqui, antes mesmo de entrar no voo internacional!”. Por fim, as 18h40 eu ja estava embarcando para Guarulhos.

100_4272

É ou não pra ter medo??

Em Guarulhos tive o prazer de encontrar uma grande amiga que me fez companhia até a hora do embarque. Como o tempo estava ruim em São Paulo, o voo para Johannesburgo também atrasou duas horas e consequentemente perdi a conexão para a Cidade do Cabo.

100_4278

 

Companhia Aérea Mango, no Aeroporto de Johannesburgo

Consegui chegar no destino final cinco horas depois do planejado (mas ao menos fui de classe executiva hehehe). Mais de 24h viajando. Eu queria dormir!

Mas a cereja do bolo ainda não havia sido colocada: minhas malas sumiram! Como eu tive que esperar um voo disponível para embarcar, acredito que minhas malas seguiram em outro voo. Por sorte, eles as encontraram em um depósito no aeroporto. Elas tinham vindo em um voo mais cedo do que eu!

Meu transfer também não estava mais esperando. Como eu havia conhecido uma brasileira que estava viajando pelo rotary, a host mother dela fez o favor de ligar para a minha escola e depois de algumas horas, o simpático motorista foi me buscar. Ele me informou que minha família hospedeira havia mudado (great! ¬¬) e que eu passaria a noite em um hotel.

Chegando ao hotel, só consegui deitar e dormir, pois minha mala estava travada e a cozinha já tinha sido fechada. Me contentei com dois chocolates até o outro dia de manhã, quando pude ir para a casa da minha primeira família na Cidade do Cabo.

Cidade do Cabo – Por quê?

Quando eu completei 18 anos e entrei na faculdade, surgiu a oportunidade de fazer um intercâmbio. Na hora eu sabia que não queria o eixo Estados Unidos-Inglaterra-Canadá que todos os estudantes optam, mas eu sabia que:

  • Queria estudar a língua inglesa
  • Queria que fosse em um lugar super bacana e cosmopolita
  • Queria a experiência de um high school, embora não estivesse mais nele

E com esses três tópicos principais, fui pesquisar. Nunca fui daquele tipo que vai até a agência e deixa o agente louco, sem saber o que quer ao certo, sem ter data, enfim, gosto de ir com tudo pronto, só pra sentar e fechar a viagem (hoje em dia nem em agência vou mais, faço tudo por conta própria e pela internet*).

* Não recomendo aos viajantes de primeira viagem que tentem montar seu próprio roteiro. É arriscado, você pode acabar se frustrando e nesse ponto é sempre bom ter a retaguarda de uma agência, especialmente em uma viagem de estudos.

100_4552

Cidade do Cabo

Então, acabei encontrando o lugar: Cidade do Cabo. O local era lindo, na praia, com milhões de turistas, era verão como no Brasil (eu não teria que me preocupar com roupas de inverno), teria a chance de aprender o idioma em uma ex-colônia britânica e onde a moeda era desvalorizada em relação ao real. Podia ser mais perfeito?

Fechei a viagem pela STB, a agência que oferecia o melhor pacote na época e fui para a África do Sul estudar na Eurocentres. Decidi pelo programa de dois meses, com acomodação em casa de família com meia pensão e voando South African Airways.

100_4454

Vista Cidade do Cabo da Table Mountain

Nos próximos posts vou falar com mais detalhes sobre cada tópico de uma viagem de intercâmbio.